OS CICLOS DOS REGIMES DE ACUMULAÇÃO - Nildo Viana

20/08/2015 12:00

 

Um dos elementos fundamentais da dialética materialista é a categoria de historicidade. De acordo com o método dialético, é possível dizer que tudo é histórico. Essa ideia, ao que tudo indica, foi desenvolvida, pela primeira vez, por Heráclito. Marx não só desenvolveu uma nova concepção de dialética, indo além das tentativas anteriores (de Heráclito a Hegel), como também contribuiu com o desenvolvimento das ideias de historicidade e especificidade histórica1. Ele, ainda, analisou o desenvolvimento histórico da humanidade a partir dessa concepção, mais tarde conhecida como materialismo histórico2. A deformação do marxismo e a proliferação de ideologias burguesas ofuscaram a percepção da historicidade do capitalismo.

A teoria dos regimes de acumulação surge visando explicar o desenvolvimento capitalista, o que permite recuperar um aspecto fundamental do materialismo histórico-dialético que havia sido ofuscado pela predominância de um conjunto de ideologias, inclusive algumas declaradas "marxistas". A historicidade do capitalismo se revela através de uma sucessão de regimes de acumulação. Mas, ao contrário do que se pode pensar, esse não é um processo ad infinitum. A cada novo regime de acumulação, maior é a dificuldade de reprodução do capitalismo. A historicidade do capitalismo se revela não apenas na sucessão de regimes de acumulação, mas também em sua finitude. A ideologia burguesa, desde Hegel (1980) e Comte (1976), até os pós-estruturalistas (ideologicamente chamados de "pós-modernos") e neoliberais, como Francis Fukuyama (1992) declara o fim da história. Essa aposta ideológica na tranquilidade de uma imutabilidade histórica sempre é substituída pelo desespero despertado pela dura realidade das crises, rebeliões e tentativas de revolução.

Diante desse quadro, assume grande importância a compreensão da historicidade dos regimes de acumulação. Os regimes de acumulação não são estáticos, como supõem determinadas concepções ideológicas. Os regimes de acumulação surgem, se desenvolvem e perecem. Nos seus momentos de crises, os regimes de acumulação são superados, substituídos por outro ou então, possibilidade sempre existente, se transformam em crise do capitalismo e geram revoluções, que, caso sejam vitoriosas, marcam o fim do capitalismo e a instauração de uma nova sociedade.

A concepção dialética da história, ao contrário da concepção metafísica (inclusive a pseudomarxista) não postula, no entanto, um movimento perpétuo e infinito das coisas (VIANA, 2007). Os processos históricos são marcados por continuidades e descontinuidades. Alguns fenômenos são mais duradouros, outros menos. Alguns se transformam totalmente, outros apenas parcialmente ou formalmente. O universo, por exemplo, é infinito. A durabilidade dos seres é muito variável. Assim, é preciso entender que, em certos casos concretos, ocorre permanência e mudança. O capitalismo, em sua essência, permanece, mas muda formalmente e este processo chegará ao fim com sua superação. Essa mutação formal é caracterizada pela sucessão de regimes de acumulação.

Os regimes de acumulação também possuem historicidade. A compreensão de sua historicidade, no nível mais abstrato, remete à ideia de ciclos. Os ciclos dos regimes de acumulação mostram sua historicidade. A durabilidade de cada ciclo é variável, de acordo com o regime de acumulação e as lutas de classes. A duração do próprio regime de acumulação é variável, alguns duram mais, outros menos, dependendo de um conjunto de determinações. O regime de acumulação bélico, ou "capitalismo de guerra" (conhecido eufemisticamente como economia de guerra), que surgiu com a ascensão nazifascista, teve curta duração (aproximadamente uma década, em alguns países, em outros menos), e o regime de acumulação extensivo durou muito mais tempo (quase um século, no caso inglês).

De acordo com a concepção dialética, a historicidade é sempre historicidade de um ser. O termo "ser", aqui, é uma categoria do pensamento dialético que engloba a essência (conteúdo) e a existência (forma)3. O ser é o concreto, algo realmente existente e visto em sua existência, mas também em sua essência, revelando a unidade de ambas. A historicidade é a forma como um ser se desenvolve, ou seja, como muda e, em alguns casos, como deixa de existir. A historicidade de cada ser é específica. Por isso, a historicidade do capitalismo é distinta da historicidade do modo de produção despótico ou do feudalismo. As "sociedades sem história" são apenas sociedade com historicidades diferentes, mais lentas e com maior durabilidade.

Os regimes de acumulação possuem uma essência. É isto que permite conceituá-los. E também possuem uma existência concreta que revelam suas mudanças no interior dessa permanência. A essência dos regimes de acumulação é uma determinada forma cristalizada das lutas de classes, no qual o processo de valorização, a forma estatal e a exploração internacional estão relativamente estabilizadas. A sucessão de regimes de acumulação é a sucessão de mudanças no processo de valorização (produção de mais-valor, essência do capitalismo que muda apenas de forma): extensividade, taylorismo, fordismo, toyotismo. Da mesma forma é a sucessão de formas estatais: liberal, liberal-democrático, integracionista ("bem estar social"), neoliberal. É, ainda, uma sucessão de formas de exploração internacional: neocolonialismo, imperialismo financeiro, imperialismo transnacional, hiper-imperialismo4. A forma cristalizada da luta de classes que constituem um regime de acumulação não é estática, pois a luta de classes mesmo estando estabilizada (como, por exemplo, na contemporaneidade, quando o capital consegue impor o neoliberalismo, o toyotismo e o hiper-imperialismo, mas nem por isso deixa de haver resistência e processos de adequação devido à luta operária), permanece sendo luta, e isso gera mudanças no interior do regime de acumulação.

É a partir desses esclarecimentos iniciais que podemos analisar os ciclos de regimes de acumulação. Os ciclos, em seu nível mais geral, são três: constituição, consolidação e dissolução. Todo regime de acumulação passa por um processo de constituição que ao terminar inicia o ciclo da consolidação e este ao se esgotar é substituído pelo ciclo da dissolução. Cada um desses ciclos é marcado por outros, o que complexifica o processo de análise e o processo histórico.

O ciclo de constituição é aquele no qual há a formação, expansão e ascensão de um regime de acumulação. Um regime de acumulação começa a se formar no interior do regime de acumulação anterior, desenvolvendo alguns de seus aspectos e forças propulsoras (ideologias, grupos, interesses, etc.). Isso ocorre geralmente nos momentos de crise do regime de acumulação anterior.  Esse processo, uma vez concluído, ou seja, desenvolvido os elementos básicos do regime de acumulação, há o período de ascensão, quando ele vai ganhando maior definição e aprofundamento, tornando-se predominante. A fase seguinte é a da expansão, que é quando o regime de acumulação se expande, tanto espacialmente (agrupando novos países, por exemplo) quanto no conjunto das relações sociais (impondo as determinações dos regimes de acumulação no plano das formas sociais, etc.). É possível, em casos concretos, que a expansão e ascensão ocorram simultaneamente.

O ciclo de consolidação é aquele no qual há o fortalecimento e estabilização. Um regime de acumulação consegue após sua formação ficar suficientemente forte para garantir sua supremacia geral na sociedade. Após isto, ele entra num período de estabilidade, no qual reina absoluto e sem grandes oposições. O fortalecimento e a estabilização podem ocorrer simultaneamente. A estabilidade de um regime de acumulação é temporária, por mais que nos discursos ideológicos, representações cotidianas, etc., ele apareça como definitivo e eterno. É por isso que o ciclo seguinte é o da dissolução.

O ciclo de dissolução é marcado pelo enfraquecimento, desestabilização, crise inicial, reconfiguração parcial e crise final. É possível que haja apenas o enfraquecimento, desestabilização e crise final, pois isso depende de diversas determinações. De qualquer forma, este é o ciclo com maior complexidade e sua dinâmica não é linear, tal como os demais, pois isso depende da luta de classes e múltiplas determinações, o que aumenta a complexidade, já que inclui um conjunto amplo de processos sociais, especificidades locais, etc. O ciclo de enfraquecimento ocorre quando a solidez do regime de acumulação começa a perder força, as ideologias dominantes começam a encontrar críticas (cada vez mais fortes e mais constantes), o movimento oposicionista começa a ganhar força, etc. O ciclo da desestabilização é aquele no qual a estabilidade (financeira, política, etc.) começa a declinar, com a população mostrando cada vez mais insatisfação. A crise inicial é quando o regime de acumulação encontra uma dificuldade radical de reprodução. A reconfiguração parcial é quando se consegue superar essa crise inicial e realiza mudanças no interior do regime de acumulação para garantir sua continuidade. A crise final e quando a dificuldade radical volta com mais força e ocorre a passagem para um novo regime de acumulação.

O ciclo de dissolução pode iniciar com uma crise inicial brusca e inesperada, o regime de acumulação pode realizar uma reconfiguração parcial e em seguida ocorrer nova crise, e esse processo pode se repetir antes de uma crise final. Esse processo e seu desenvolvimento dependem da luta de classes, sua determinação fundamental, e também de outros processos sociais ligados à dinâmica da acumulação capitalista e suas condições de reprodução.

Nós podemos buscar reconstituir esse processo através do exemplo do regime de acumulação conjugado. O surgimento deste ocorre em 1945 e se encerra, aproximadamente, em 1980 (VIANA, 2009; VIANA, 2015). Claro que tais datas não são fixas e muito menos exatas. Existem diversas diferenças entre os países, sendo que em alguns o regime de acumulação se forma primeiro e somente depois que se instaura em outros países. Um regime de acumulação só ganha força totalizante, mundial, depois de um bom tempo de ter emergido em alguns países do bloco imperialista. A ilusão cronológica é bastante comum, mas deve ser evitada. Apresentar uma data não quer dizer que seja exata, que ocorreu em todos os lugares no mesmo período, etc. e, principalmente que algo já tenha nascido pronto. Trata-se de um processo de constituição e por isso é bem mais complexo do que aparenta à primeira vista.

Dito isto, podemos prosseguir com a análise do regime de acumulação conjugado. O seu ciclo de constituição se inicia antes de 1945 no capitalismo imperialista. A crise inicial do regime de acumulação intensivo ocorreu no final da década de 1910, com as tentativas de revoluções proletárias na Rússia, Alemanha, Hungria, Itália e lutas de classes radicalizadas em diversos países. A derrota das revoluções proletárias foi seguida de uma reconfiguração parcial do regime de acumulação intensivo, que, no entanto, já trazia em si os germes do regime de acumulação conjugado. No entanto, a situação do capitalismo oligopolista era marcada por situação de pobreza, dificuldades financeiras, tendência à nova onda de revoluções proletárias, etc. É nesse contexto que emerge alguns elementos que depois se tornarão características do futuro regime de acumulação.

A reconfiguração de qualquer regime de acumulação se inicia pela ação estatal, pois é este o aparato do capital que não só tem o poder de intervenção financeira, repressão, influência ideológica, etc., como é a forma coletiva e consciente da reação da classe burguesa. O liberalismo-democrático começa a perder espaço em várias frentes desde a crise inicial. As tendências estatistas se fortaleceram (socialdemocracia, bolchevismo, fascismo, nazismo, etc.) e Keynes escreve sua obra em 1936 (KEYNES, 1996)5. A crise de 1929 e a ascensão do nazifascismo permitiu o processo se radicalizasse, o que gerou um elemento que será desenvolvido no regime de acumulação seguinte, o intervencionismo estatal. No caso de alguns países, como Alemanha e Itália, significou a crise final do regime de acumulação intensivo. O exemplo do capitalismo estatal russo (dito "socialismo real"), não atingido diretamente pela crise do regime de acumulação intensivo, era outro elemento que apontava para um maior intervencionismo estatal.

Por outro lado, o liberalismo-democrático não ruiu apenas pela existência de um movimento oposicionista e sim pelas dificuldades encontradas no processo de valorização. O taylorismo, enquanto elemento fundamental para aumentar a extração de mais-valor relativo, não estava sendo suficiente para garantir as altas taxas de exploração. O desenvolvimento tecnológico e a resistência operária sempre colocam em xeque o processo de valorização, o primeiro exigindo aumento de produtividade e de extração de mais-valor, e o outro sendo um obstáculo para tal e através de sua resistência, pode não só dificultar o aumento da taxa de exploração, como pode exigir e conquistar, em determinado contexto, a sua diminuição. O aparato estatal (através da repressão e outras ações) interfere nesse processo, mas não pode resolver o que só pode ser resolvido no âmbito do modo de produção capitalista. O fordismo também emerge ... Por último, a exploração internacional era outro ponto fundamental e a partilha do mundo não era a mais adequada para todos os países e por isso não bastava apenas um maior intervencionismo estatal interno, era necessário aumentar o poder do aparato estatal nacional diante dos demais países. É nesse contexto que a reformulação do imperialismo se torna uma necessidade, mais premente em alguns países, e a guerra aparecia com a forma de realizar esse processo.

Neste contexto, novas concepções e ideologias vão surgindo e/ou ganhando força, como o fascismo, nazismo, socialdemocracia, keynesianismo, bem como as ideias de Henry Ford e diversas outras manifestações culturais e ideológicas. Essa mudança cultural apontava para a percepção do impasse do regime de acumulação intensivo e da necessidade de mudanças para sua superação e, sob formas diferentes, apontaram para um maior intervencionismo estatal, necessidade de reconfiguração das relações internacionais, necessidade de aumento da extração de mais-valor. Assim, foram surgindo respostas diferentes e algumas foram resgatadas e amplamente utilizadas no ciclo de constituição do regime de acumulação conjugado. Assim, o ciclo de constituição possui antecedentes que ele recupera, assimila e coloca no interior de uma nova totalidade, que é o novo regime de acumulação.

O ciclo de constituição em sua fase formação se encerra com a predominância do novo regime de acumulação, o que, no caso, ocorreu a partir de 1945. É nessa época que inicia o seu ciclo de ascensão, cuja duração varia de acordo com o país. Nos Estados Unidos foi mais imediato, na Europa ocidental, devido à reconstrução do pós-guerra, demorou mais tempo. O ciclo de expansão e ascensão ocorre simultaneamente e vai até meados dos anos 1950 (com as devidas variações).

Nesse contexto, abriu-se o caminho para o ciclo da consolidação a partir, aproximadamente, 1955 (o que ocorreu antes nos Estados Unidos), ocorrendo sua estabilização e fortalecimento até a metade dos anos 1960, aproximadamente, dependendo do país. Essa foi a época das ideologias apologéticas da "sociedade de consumo", "integração da classe operária no capitalismo", "Estado de bem estar social". A terminologia escolhida não é gratuita. Efetivamente, as políticas estatais estruturais foram implementadas, bem como o aumento real dos salários (à custa do aumento de produtividade via fordismo e exploração internacional via capital oligopolista transnacional), aumento do consumo (com o reforço do sistema de crédito), permitiram uma estabilidade política e financeira que aparentemente criava uma "sociedade sem oposição"6.

A partir de 1965 esse processo já começa a declinar, gerando o ciclo de dissolução, iniciando com um enfraquecimento, perceptível pela queda da taxa de lucro (HARVEY, 1992) e que logo promove a desestabilização, com a emergência de diversas formas de contestação e luta (VIANA, 2009). A crise inicial explode nos últimos anos da década de 1960, com a ascensão das lutas operárias e estudantis, sendo o ano de 1968 (emblemático por causa da rebelião estudantil em Paris e radicalização na Itália e Alemanha, bem como a luta operária nestes e em outros países).

Porém, a derrota do Maio de 1968 significou a superação da crise inicial e o início da reconfiguração parcial do regime de acumulação conjugado. Essa reconfiguração parcial teve na chamada Comissão Trilateral a sua grande mentora intelectual, propondo um aparato estatal ainda mais repressivo, aumento da exploração internacional, etc. (VIANA, 2009). Estes elementos são uma tentativa de reconfiguração do regime de acumulação intensivo e já anunciam elementos do futuro regime de acumulação, o integral. A proposta de um aparato estatal mais repressivo, bem como as tentativas de alterações na organização do trabalho (processo de valorização) e aumento da exploração do capitalismo subordinado7, são elementos que estarão presentes no futuro regime de acumulação. É nos anos 1970 que ganha força as ideologias que foram denominadas "pós-modernas" (pós-estruturalistas em ciências humanas e pós-vanguardistas em artes), constituindo uma contrarrevolução cultural preventiva (VIANA, 2009) e, ao mesmo tempo, anunciando a nova hegemonia cultural no capitalismo neoliberal. No entanto, essa reconfiguração parcial não foi suficiente para manter o regime de acumulação intensivo e novas lutas sociais, como a Revolução dos Cravos em Portugal em 1974, a Revolução Polonesa em 1980, a crise do petróleo também em 1974, foram avolumando conflitos e dificuldades, até que a solução foi a retomada do liberalismo sob nova forma, mantendo os elementos propostos nos anos 1970 e acrescentando novos. Nesse sentido, os anos 1970 foram marcados por uma reconfiguração parcial do regime de acumulação intensivo e ao mesmo tempo pelo início do ciclo de formação do regime de acumulação integral. No final dos anos 1970, a situação era insuportável e foi em 1979 que foi eleito o primeiro governo neoliberal, Margareth Thatcher e em 1980 o segundo, Ronald Reagan, iniciando o ciclo de expansão do regime de acumulação integral.

Em síntese, esse foi um dos processos que demonstram os ciclos dos regimes de acumulação. Sem dúvida, talvez fosse mais interesse analisar esse processo no regime de acumulação integral. Contudo, este ainda existe e por isso é mais difícil analisar seus ciclos. De qualquer forma, é possível identificar seu ciclo de constituição (formação: década de 1970 até 1980; ascensão e expansão: 1980-1990), o seu ciclo de consolidação: (fortalecimento e estabilização: 1990-1999) e o ciclo de dissolução: (enfraquecimento: de 2000-2008; desestabilização: 2008 até hoje). Isso significa que o regime de acumulação integral está em processo de declínio e nesse momento histórico se cria um impasse que é decidir o que vem depois. Muitos se agarram e tentam por tudo manter o atual regime de acumulação e as políticas de austeridade são exemplos cristalinos desse processo. No entanto, isso avoluma as contradições. O fim do regime de acumulação integral já começou, a questão é quando e como vai terminar. Nesses momentos históricos, o fascismo e a guerra são possibilidades (o regime de acumulação bélico), bem como a transformação social no sentido da emancipação humana (autogestão social). Outras possibilidades existem, mas são pouco prováveis.

A compreensão da história e suas tendências é fundamental para compreendermos a sociedade  e intervirmos nela, escolhendo o lado e a tendência que queremos reforçar. Logo, a compreensão dos ciclos dos regimes de acumulação é fundamental tanto no plano teórico quanto político. A percepção da historicidade dos regimes de acumulação é algo difícil para os seres humanos envolvidos com sua época, com dificuldade de superar as amarras da contemporaneidade (VIANA, 2014). Isso a torna ainda mais importante.

 

Referências

COMTE, Augusto. Discurso sobre o Espírito Positivo. Porto Alegre: Globo, 1976.

FUKUYAMA, Francis. O Fim da História e o Último Homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HEGEL, G. F. Introdução à História da Filosofia. 4ª edição, Coimbra, Armênio Amado, 1980.

KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

KORSCH, Karl. Karl Marx. Barcelona: Ariel, 1983.

KOTHE, Flávio. Para Ler Benjamin. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1976.

MARCUSE, Herbert. A Ideologia da Sociedade Industrial. O Homem Unidimensional. 6ª edição, Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

MARX, K. Contribuição à Crítica da Economia Política. 2a Ed., São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MARX, Karl. A Miséria da Filosofia. 2ª Edição, São Paulo: Global, 1985.

MARX, Karl. O Capital. 3ª edição, Vol. 01, São Paulo: Nova Cultural, 1988.

VIANA, Nildo. A Consciência da História. 2ª edição, Rio de Janeiro, Achiamé, 2007.

VIANA, Nildo. Estado, Democracia e Cidadania. A Dinâmica da Política Institucional no Capitalismo. 2ª edição, Rio de Janeiro: Rizoma, 2015.

VIANA, Nildo. Karl Korsch e a Concepção Materialista da História. São Paulo: Scortecci, 2013.

VIANA, Nildo. O Capitalismo na Era da Acumulação Integral. São Paulo: Idéias e Letras, 2009.

VIANA, Nildo. Os Efeitos do Contemporâneo. Revista Despierta. Vol. 01, num. 01, jul-dez. de 2014. Disponível em: http://redelp.net/revistas/index.php/rde/article/view/2nviana1/163 Acessado em: 10/12/2014.

 

Nildo Viana

Professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília.

E-mail: nildo@nildoviana.com







1 Marx não usou esses termos, mas desenvolveu o referente que eles significam. A ideia de historicidade está presente no conjunto do pensamento de Marx, bem como a ideia de especificidade histórica, recuperada por Karl Korsch (1983), que não só a explicitou como também lhe deu a ênfase devida ao utilizar a expressão "princípio da especificidade histórica" (VIANA, 2014).



2 Marx apresentou sua concepção de dialética em diversas obras (1983; 1985; 1988). Materialismo histórico e método dialético são semelhantes e diferentes. O materialismo histórico é a determinação fundamental e raiz do método dialético, sendo este uma ferramenta intelectual derivada daquele (VIANA, 2007). O método dialético é indissociável do materialismo histórico, embora possua sua autonomia e especificidade.



3 A concepção segundo a qual em idioma português não existe um termo como o alemão _gehalt, que aborda simultaneamente forma e conteúdo (KOTHE, 1976), é assim desmentido. Claro que isso depende do que se entender por "ser", mas a abordagem aqui aponta para tal entendimento, o que resolve o problema da lacuna lexical do idioma português.



4 Obviamente que esses processos não significam que há a imediata abolição da forma anterior e nem que elas deixam de existir totalmente. Os que essas formas manifestam é uma predominância, pois em certos setores da sociedade, ainda podem existir formas de organização do trabalho (processos de valorização) e de exploração internacional que foram predominantes anteriormente. Da mesma forma, é preciso entender que o desenvolvimento capitalista é assincrônico e isso não ocorre no mesmo período em todos os países, nem da mesma forma (bastaria citar que, derivado da exploração internacional e da divisão internacional do trabalho, existem blocos diferenciados de países).



5 As ideologias burguesas possuem alguns elementos comuns, mas possuem diversas diferenças. Um dos elementos que caracterizam essas diferenças são as oposições entre algumas delas em relação a diversos aspectos da realidade: estatismo/liberalismo; racionalismo/empiricismo; holismo/individualismo; objetivismo/subjetivismo; materialismo/idealismo, entre inúmeros outros exemplos. Também existem as ideologias híbridas, que mesclam elementos das suas posições. Há também a tendência de homogeneização de posição (estatismo/racionalismo/holismo/objetivismo, bem como liberalismo/empiricismo/individualismo/subjetivismo) e também hibridismo e tendências ambíguas. No caso político, as tendências estatistas são variadas e assumem distintas formas. A única forma de pensamento que escapa totalmente destas oposições é o marxismo, pois ele expressa a negação do capitalismo e, por conseguinte, de suas ideologias. Obviamente que nem sempre isso ocorre concretamente, pois além das deformações do marxismo, os marxistas nascem na sociedade capitalista e começam a refletir no seu interior, tendo influências das suas ideologias, sendo que uma parte do marxismo consegue superar tais influências quando atinge maior profundidade e autonomia intelectual.



6 É nesta época que Marcuse lança a sua obra "O Homem Unidimensional" (MARCUSE, 1982), no qual aborda o pensamento unidimensional e a inexistência de uma oposição. Sem dúvida, ele é apenas mais um entre tantos outros que, sob formas diferentes, afirmam a mesma coisa. Uma das diferenças é que Marcuse via isso negativamente e outros positivamente. Isso serve para nos alertar de que durante o ciclo de consolidação, com a estabilidade financeira e política, a hegemonia burguesa sob forma adequada ao regime de acumulação (tal como, nesse caso, o integracionismo) reina absoluta. No caso do atual regime de acumulação integral, isso aconteceu nos anos 1990 e por isso se cunhou o termo "pensamento único" e Fukuyama foi apenas um de seus ideólogos.



7 Expressão disso foram as ditaduras na América Latina, tal como no caso brasileiro, bem como a experiência chilena, no qual a repressão foi combinada com a privatização, elementos que serão retomados no regime de acumulação integral.



 


______________________________________________________________________________________________________

Ficha bibliográfica:

VIANA, Nildo. Os ciclos dos regimes de acumulação. In: Territorial - Caderno Eletrônico de Textos, Vol.5, n.7, 20 de agosto de 2015. [ISSN 22380-5525].